Nossa luta pela transparência continua. Aqui você sabe quanto foi repasado à conta do FUNDEB

DO JUIZ AO RÉU, TODO MUNDO LÊ O BLOG EDUCADORES DE PORTEL

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Breves: o fim dos campos de futebol



Atalaia: o fim dos anos áureos não voltaria?

Nesses dias que passo em Breves, desde o dia 27 de outubro, contato uma série de coisas que me chamam a atenção e me levam a ficar seriamente preocupado com a forma com que se esquece facilmente a própria historia e arranca-se violentamente as marcas de um passado glorioso.


Ali próximo ao prédio da prefeitura de Breves há um lindo prédio que já foi, em tempos áureos, palco de grandes realizações festivas de uma sociedade que se reunia para socializar momentos ímpares, entre elas festas de debutantes, conquistas de campeonatos, festas dançantes. Estou falando da sede do Clube Atalaia. 

Quando tentei descobrir os fundamentos do tal fracasso, houve até quem buscasse na memoria uma denúncia feita sobre o barulho gerado pelo som. Além disso, o informante também revelou que a vizinhança é composta pela elite da sociedade brevense, cujo peso foi preponderante no fechamento das portas que remetiam ao passado.


Fiquei curioso com a movimentação de jovens sarados e moças esbeltas saindo e entrando pelo portão ao lado e fui informado de que ali funciona uma academia. Do clube?, Indaguei. O homem que conversava comigo, com jeito alegre típico dos brevenses, disse que o espaço é locado para uma professora, a qual implantou um negócio crescente em Breves: as academias.


Também fiquei curioso com o destino do futebol brevense. Segundo meu interlocutor, o clube não mais possui a relevância do passado. Nem estádio possui. No lugar onde funcionava o estádio do Clube Santana foi erguido o Hospital Regional. Parece-me que os governantes, para não parecer que desprezam o futebol como prática esportiva e envolvimento social da comunidade, fazem apelos emocionais em trocar os estádios por algo que mexe com o consciente coletivo como a implantação de uma escola ou um hospital, ambos considerados prioridades, como se o social também não o fosse.


Ao percorrer as pontes que levam ao malocão do Campus de Breves da Universidade Federal do Pará, o pensamento volta-se a direcionar a questão dos espaços que se tornam cada mais comprometidos com a superpopulação. Isso propõe um desafio aos governantes atuais, pois os anteriores não propuseram um plano diretor para a cidade que é considerada a Capital do Marajó. O mesmo pensamento volta ao andar na garupa de um mototaxi. Enquanto percorremos as ruas emburacadas que recebem nomes das cidades do Marajó, como Breves, Melgaço, Curralinho, vejo casebres, casas e bangalôs á venda. Nenhum campinho à vista para a prática do futebol como anteriormente já foi comum. Pelo contrário, meninos ousam utilizar o corpo e a mente em práticas de futebol no meio da rua!
Postar um comentário